Como Elaborar um Plano de Captação de Recursos (Parte I)

O Ano Novo chegou e muitas organizações da sociedade civil (OSC) se veem diante do grande desafio de garantir fundos para a sustentabilidade de seus respectivos projetos sociais e também da própria estrutura organizacional.

Nesse momento, os trabalhos precisam ser bem executados, com um foco específico, fazendo uso de estratégias adequadas de captação e mobilização de recursos, assim também permitindo que a organização possa acessar diferentes fontes financiadoras.

Já afirmava o especialista Marcelo Estraviz que “nós precisamos, para manter a sobrevivência da entidade, que nenhuma das fontes de recursos represente mais do que um terço de nossa receita.”

Ou seja, é necessário que haja uma diversificação das fontes de recursos, permitindo com que as instituições tragam maior segurança para seus trabalhos, autonomia na gestão corporativa e maior sustentabilidade dos projetos e causas com as quais trabalham.

Isso só será possível através da elaboração de um Plano de Captação de Recursos para a sua organização, que contemplará diversas fontes de recursos, estratégias, ferramentas, níveis de responsabilidade, custo e tudo isso dentro de um cronograma que precisa ser obedecido, caso contrário, a organização perderá o foco e passará a ter apenas uma postura reativa diante dos problemas, quando eles surgirem.

Um bom Plano de Captação de Recursos precisa responder às seguintes perguntas:

  • O que precisamos fazer (evidenciam as ações)
  • Quando as ações ocorrerão ( organizam no tempo)
  • Quanto preciso captar (estabelecem uma meta)
  • Como executaremos as ações (definem as estratégias)
  • Quem será responsável (atribuem trabalhos da equipe)
  • Por que faremos (reavaliam motivações e valores)
  • Onde buscaremos os recursos (estabelecem fontes)

Certamente tendo essas perguntas respondidas, você conseguirá ter um trabalho de captação de recursos mais sólido e produtivo, permitindo com que sua organização cresça cada vez mais.

Aqui vão alguns elementos que devem compor seu Plano de Captação de Recursos:

Diagnóstico Institucional

O diagnóstico institucional promoverá uma avaliação interna e externa da organização, permitindo com que você conheça forças e fraquezas (ambiente interno) presentes no âmbito da instituição, e também avaliando as oportunidades e ameças (ambiente externo) que com as quais está lidando ou vai enfrentar no transcorrer do ano.

Uma ferramente aqui a ser utilizada é a Análise SWOT (ou FOFA)

 

Orçamento

O orçamento definirá quais são as despesas fixas e variáveis da sua organização, além também do custo de cada projeto realizado por ela, permitindo com que você tenha uma visão global da sua meta de captação de recursos, afinal, “se não há um objetivo claro, não há uma captação clara.” (Estraviz).

Você pode acessar um exemplo clicando aqui.

 

Mix de Financiamento

Esse componente do plano revelará de forma objetiva e clara de onde estão vindo os recursos atualmente captados por sua organização, além do percentual que eles representam na composição da receita total da instituição.

Vale lembrar, conforme já citamos, que nenhuma fonte de recurso pode representar mais do que 1/3 (um terço) da receita, caso contrário, a organização estará em uma situação de risco.

 

FONTE DE RECEITA

 

VALOR $ (A)

PERCENTUAL DA = A x 100 RECEITA TOTAL         B
Doadores institucionais $130.000 87%
Geração de renda $11.000 7%
Empresas $5.000 3%
Fundações $2.000 1%
Igrejas locais $1.000 1%
Indivíduos $1.000 1%
Total (B): $150.000

100%

Modelo de Mix de Financiamento (Fonte: Teafund)

 

Cadastro de Parceiros

Não adianta nada termos um grande trabalho de conquista de novos doadores se não cuidamos daqueles que já são nossos parceiros.

Reter doadores custa muito menos do que conquistar novos doadores, razão pela qual precisamos realizar a distinção desses bancos de dados, objetivando envidar esforços para a manutenção do relacionamento com aqueles que já conhecem nossa organização e já tiveram a oportunidade de apoiá-la.

Uma planilha Excel é perfeitamente útil para esse trabalho, sendo que você pode incluir alguns dados de seus parceiros, tais como: Nome, telefone, e-mail, data de nascimento, endereço, outros.

 

E tem mais…

Agora você já sabe a importância de um Plano de Captação de Recursos e alguns componentes que precisam constar nesse documento tão importante que norteará as ações de relacionamento institucional da organização.

No próximo post vamos falar das outras partes que precisam constar em seu Plano de Captação de Recursos.

Até breve!

 


Bibliografia

ESTRAVIZ, Marcelo. Um dia de captador. 1ª Edição. São Paulo: Zeppelini Editorial, 2011.

BLACKMAN, Raquel. ROOTS. Captação de Recursos: Tearfund, 2004.

 

 

 

7 comentários em “Como Elaborar um Plano de Captação de Recursos (Parte I)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s